Dakar: Entenda como é um rali Cross-Country

Um rali como o Dakar é do tipo Cross-Country, sendo suas edições disputadas ao longo de três ou mais países (embora na fase Africana do Dakar seria mais apropriado falar em Cruza-Continentes, pois sempre começava por um país europeu – em geral a França ou Portugal – e depois entrava pela África adentro, com o deslocamento sendo feito por navio.

É um rali com várias características similar ao WRC (Mundial de Rali de Velocidade), mas com algumas diferenças sutis.

1. Trechos de Deslocamento:
São sempre dois trechos: um antes do início da especial, e outro depois do fim da especial. Aqui basta chegar ao final do percurso, não é necessário rigor nos tempos de deslocamento.

2. Estágios Especiais:
Os veículos correm contra o tempo, isto é têm seus tempos cronometrados individualmente, num percurso difícil, ao qual ninguém têm acesso anteriormente. Por isso é necessário um companheiro no Carro ou no Truck, chamado de navegador. As Motos e os Quadris usam apenas um GPS para poder achar o caminho.

3. Largadas:
No Dakar, a partir da segunda especial, larga primeiro quem foi melhor no estágio anterior, isto é, largam segundo a classificação do estágio especial anterior.  Em geral a última especial – quase sempre de curta extensão e maior facilidade de conclusão – pode seguir o procedimento anterior, ou fazer uma  largada com alguma inversão de posições.
Em geral os veículos largam com intervalos de 1 minuto. No Dakar, que é um rali multi-plataforma, largam primeiro todas as Motos, depois todos os Quadris, todos os Carros e UTVs, e finalmente todos os Trucks.

4. Tempo Cronometrado:
Não é o primeiro a chegar que é o vencedor da etapa especial. O que valem são as diferenças dos horários de partida e chegada individuais, contados em Horas:Minutos:Segundos.

Além disso podem ser aplicadas punições, por faltas cometidas, ou até  mesmo por não conseguir passar por um dos pontos de controle, ou trechos de deslocamento. As punições variam de módicos 10 minutos, até
severas punições de até 5 horas. As punições são somadas aos tempos efetivos – cronometrados – daquele piloto.

Como o Dakar tem várias extensões de especiais de mais de 400km (já chegaram a superar os 600 km no passado), é muito comum o mais rápido chegar depois de um concorrente que foi mais lento, mas saiu na frente (devido à classificação anterior). Outrossim, alguns competidores podem levar muitas vezes mais de 2 horas para chegar, isso depois do primeiro colocado já ter cruzado o último ponto de cronometragem daquela especial.

Link permanente para este artigo: http://www.esportesmotor.com/?p=6640

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.