F-1: Las Vegas estará a altura das expectativas?

No próximo fim de semana, a Fórmula 1 segue para o tão aguardado GP de Las Vegas, pela primeira vez em mais de 40 anos. Mas será que o espetáculo de rua ao redor da icônica Strip poderá estar à altura das expectativas?

Aproveitando o sucesso do seriado da Netflix, Drive to Survive, a Liberty Media estava interessada em explorar sua nova popularidade nos Estados Unidos e o primeiro passo foi uma corrida em Miami.

Embora o espetáculo de corrida em Miami Gardens não tenha sido exatamente inesquecível em 2022, a corrida de 2023 proporcionou um espetáculo melhor para acompanhar o brilho e o glamour fora da pista que entretinham hordas de celebridades e VIPs.

Correr no estádio Miami Dolphins foi um passo para conquistar os EUA, mas a mudança da F1 para Las Vegas representa um jogo totalmente diferente. Vegas era um alvo dos sonhos da Liberty Media, na medida em que tomou a decisão sem precedentes de promover a corrida em si e comprar um terreno perto da famosa Strip para construir um pit e paddock permanente.

Estima-se que a F1 gastou mais de meio bilhão de dólares no evento, que planeja sediar até pelo menos 2032, mostrando o quanto a F1 acredita que o evento funcionará no longo prazo. As expectativas que despertou superaram o de Miami e certamente há alguma justificativa para isso.

A F1 conseguiu que seu percurso de rua de 6,2 km incluísse uma parte de 2 km da Strip, que a prefeitura concordou em fechar para a corrida. Embora o layout em si não seja o mais inspirador e provavelmente não funcionaria para chamar a atenção em qualquer outro lugar, a visão de 20 carros de F1 correndo ao longo desse circuito à noite pode proporcionar à F1 imagens deslumbrantes.

Certamente está muito longe do layout sinuoso do estacionamento do Caesars Palace usado em 1981 e 1982. E aconteça o que acontecer com a corrida, conseguir isso é uma conquista notável da F1 e um sinal de seu poder de atração em 2023.

O próprio condado também está apostando no sucesso do seu evento “bilionário” para justificar os 40 milhões de dólares de dinheiro público gastos na repavimentação da Strip e apaziguar os residentes locais.

Mas o “Superbowl” da F1 também tem um preço para os fãs. E um bem robusto.

Quando as vendas começaram, os ingressos de entrada na geral custavam US$ 500 (incluindo alimentos e bebidas), enquanto os ingressos para a arquibancada de um dia para o domingo variavam entre US$ 1.155 e US$ 1.760, com ingressos de fim de semana perto de US$ 3.000. Isso se soma à garantia de um quarto de hotel nas proximidades do circuito, cujos preços felizmente caíram nas últimas semanas.

Mostra que o evento em si não é voltado para a tradicional base de fãs da F1 que assiste pela TV, uma divisão que já ficou clara pelos preços exagerados de Miami. Com o início da corrida local às 22h00 e a sessão de qualificação à meia-noite, embora palatáveis para o público da Europa e da Ásia, serão mais difíceis para a maioria da população dos EUA, que vive na costa leste três horas antes, assim como no Brasil e na América Latina.

Mas para os americanos que querem experimentar a F1 ao vivo, é mais barato voar para uma corrida na Europa do que ficar sentado no frio, já que temperaturas de 8°C ou 45°F são esperadas nesta época do ano.

Quando se trata de ação na pista, o frio não precisa ser exclusivamente negativo. Se há algo que a temporada de 2023 pode usar é uma pitada de caos para aumentar as apostas.

Mas o aquecimento dos pneus em condições geladas pode muito bem ser um obstáculo.

Apresente-se uma corrida simples e a Red Bull provavelmente irá arrasá-la. O frio, combinado com fatores desconhecidos como o estado da pista, dará às equipes algumas novas dores de cabeça que poderão confundir a ordem, assim como a força dominante de 2023 foi humilhada em Cingapura.

Além disso, não há séries de suporte no cronograma, então os níveis de aderência no novo asfalto Strip serão muito baixos e veremos uma enorme evolução da pista ao longo do fim de semana.

A F1 certamente se beneficiaria de um retorno cheio de ação em Las Vegas, já que o surpreendente domínio de Max Verstappen em 2023 fez com que o interesse diminuísse e a audiência da TV doméstica caísse, portanto, garantir que seu boom nos EUA seja sustentável será pelo menos tão desafiador quanto criá-lo em primeiro lugar.

Portanto, é compreensível que tanto a F1 quanto seus stakeholders não estejam deixando pedra sobre pedra para aumentar Vegas, mesmo além do nível de Miami. Mas quanto mais você exagerar em um evento, maiores serão as chances de ele não atender a essas expectativas.

Pelo menos Miami tinha a miragem de ser uma batalha pelo campeonato, mas com ambos os títulos já decididos – e isso há muito tempo -, será realmente necessário obter mais do que belas fotos e hospitalidade de primeira classe para justificar todo o burburinho e a extorsão nos preços das entradas neste GP de Las Vegas.

+1: Na semana do GP de Las Vegas o já tri-campeão Max Verstappen detonou o circo armado em volta do evento, afirmando que aquilo tudo era 99% de espetáculo, e apenas 1% de esporte. E completou: “Me senti um palhaço!”

+2: E o TL1 foi uma vergonha para a FIA, pois durou só 10 minutos, até que a Ferrari de Sainz foi pega por um bueiro. Investiram tanto, cobraram ainda mais, mas não sobrou dinheiro para cuidar dos bueiros para uma corrida de Fórmula 1.

+3: Mesmo com os altíssimos preços cobrados dos fãs pelas entradas, tiraram todos das arquibancadas pois tinha esgotado o horário dos seguranças
(ou seja o pessoal pagou – e muito caro – mas não puderam ver o TL2, pois a organização não quis pagar horas extras para as equipes de segurança)

1.687.492FJPB1.442

Link permanente para este artigo: https://www.esportesmotor.com/f-1-las-vegas-estara-a-altura-das-expectativas/

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.